De parar o trânsito

Andei parando o trânsito. Por breves momentos. E foi interessante como num mesmo dia, rolaram interrupções bastante diferentes porém com significados próximos uns dos outros.

Como pedestre, não gosto de fazer um carro parar para eu atravessar, se eu não estiver no meu pleno direito. Não gosto de negociar. Nem de correr. Eu sei que havendo ou não faixa, a prioridade é minha. Mas defendo a ideia da convivência e, se estou longe de um semáforo ou uma faixa, espero por uma oportunidade com bastante folga, antes de atravessar. Digo isso porque muita gente atravessa e sinaliza para os carros pararem ou diminuirem no meio da rua para que o pedestre passe. É muito raro que eu esteja presente numa situação dessa, seja a pé ou empurrando a bicicleta. Evito ter que negociar com o motorista.

Mas vamos aos fatos.

É comum estar à direita de um ônibus, e aproxima-se um ponto. O movimento natural do ônibus é se aproximar o máximo da calçada onde está o ponto e não deixar espaço para o ciclista. É totalmente compreensível, uma vez que ele visa conforto ao usuário que vai descer ou subir no coletivo. Quando eu vejo que haverá disputa por espaço, cedo. É assim que o fraco vence. Parei. Dessa vez, no entanto, o motorista do ônibus resolveu parar antes do ponto, para me dar passagem para continuar. Mas eu já tinha parado. E ficamos os dois parados por alguns instantes sinalizando para o outro passar na frente. Encerrei o impasse passando primeiro.

Uma única vez, em 2 anos de pedalada, um motorista de ônibus me colocou em risco. E ainda assim, é possível que ele não tenha me visto. Pode ser que estivesse pouco se lixando, também. Não sei. Mas esse tipo de situação é bem mais comum do que a fantasia do ônibus que não se importa. Com carro a relação é uma, com bicicleta é outra. E isso vale para todas as relações. A relação carro x carro é bem diferente da relação carro x bicicleta.

Daí, na mesma pedalada, chegando em casa, vem um ciclista na contra mão de frente pra mim. De longe, ele colou na calçada me obrigando a ocupar mais espaço da pista. Fiz o mesmo. Colei na calçada e olhei pra ele esperando ele desviar para o meio da pista. Na velocidade que estava, ele ainda tentou se desviar pela calçada. Parei. Ele parou também. Sorriu sem saber bem o que dizer, nem como se portar. Não sei se ficou chateado, constrangido, ou se não entendeu nada. De qualquer forma, ele não tinha uma resposta pronta para aquele conflito, e foi embora resmungando baixinho alguma coisa que não deu realmente para entender o que era. Não identifiquei nem se foi mais um “foi mal”, ou uma reclamação.

Por fim, na segunda saída do dia, como normalmente faço, principalmente em grandes avenidas, o ônibus parou no ponto, e como nesse caso não havia disputa pelo espaço – ele chegou primeiro – imediatamente parei atrás dele. Não tinha visto um ciclista que vinha atrás de mim que não esperava que eu parasse atrás do ônibus, e quase colidiu comigo. Teve que parar de vez. O ônibus ia parando e ele ia cortando para a esquerda para ultrapassá-lo, mas no cálculo dele, eu continuaria indo pra frente na mesma velocidade, ou para ultrapassar pela esquerda ou pela direita. Pela direita não dava, porque tinha bastante gente sinalizando para subir naquele ônibus, e haveria a possibilidade de choque com essas pessoas. Pela esquerda, evito. Quase nunca faço. Estar à esquerda de um ônibus é uma excelente forma de não poder usar a minha manobra de segurança preferida: parar. E portanto, correr riscos mais complicados de calcular.

No fim, é isso: evito a disputa, evito o conflito. Se há uma indefinição, paro. Seria ótimo se atitudes como essa se generalizassem e o movimento do ciclista ficasse mais previsível. A previsibilidade é um grande fator de segurança no trânsito.

Enquanto esse dia não chega, para se salvar, é só parar.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s