3 e 4 de julho

Querido diário,

Terça-feira é dia de futebol. Ou era. Gravamos o dia inteiro para o Mê de Música, de carro pra lá e pra cá. Teve Cajazeiras, Cidade Baixa, Pituba e TCA, uma correria. Não teve bicicleta. E por mero cansaço de dia todo não teve baba. Até dava tempo, mas não teve. Até agora não sei se foi a decisão mais sensata. Será que eu estava tão cansado assim? Será que a emoção do esporte mudaria os parâmetros? Como saber?

Quarta teve reunião no 2 de Julho – aquele bairro que dizem que vai virar Santa Tereza. Queria dizer que Santa Tereza é o caralho. É desrespeitar demais a Bahia. Não dá. Obrigado. Segui pela orla às 16h20. Saí cedo para um compromisso Às 18h, porque dava. E porque não fazê-lo? O caminho tinha tudo para ser agradável. O trânsito estava ridículo. Subi a Ladeira da Barra, e no trecho final, ultrapassei uns 8 carros. Nenhum exagero. Alguém subindo uma ladeira de bicicleta, uma ladeira cansativa porém possível, de um quilômetro de extensão, vai lentamente. Mas ultrapassa carros. E continuei ultrapassando. Graça, Vitória… Decidi contar quantos carros eu passava, pra poder contar depois, infelizmente perdi a conta. Perdi mesmo. O trânsito estava ridículo. 16h50. Ridículo. Bastante parado no Centro. Só voltei a ser ultrapassado por motores em frente ao TCA, mas foi só chegar na Avenida Sete e eu era um campeão de velocidade máxima. Era pedalando, era rindo. É bom que o abdômen trabalha. Parei no Edifício Dona Lourdinha pra tomar um café na casa de um bom amigo, e dali para o Areial de Baixo para reunião de trabalho. Boa reunião. O 2 de Julho vai ser um destino mais ou menos frequente esses dias, ao que tudo indica. 11 Km de ida, 11 Km de volta.

Na volta ameaçou chover. Esperar chover e passar? Seguir? Segui. Choveu forte. Cheguei em casa molhado como se tivesse caído numa piscina. Nada dentro da mochila se molhou porque ela é mágica, tem o corpo fechado, foi o próprio Bruce Willys que benzeu. Mas choveu bastante e eu me molhei bastante. Pensei comigo: é assim mesmo. Um óculos fez falta para conter as gotas de água / lama / nojeiras voando no rosto. Poder de abstração e força no pedal. Não é agradável. Meu amigo Pablo comprou uma dessas capas pretas de motoqueiro delivery. Disse que a-m-o-u, que a vida mudou. Quer saber? Minha vida vai mudar.

Depois ainda teve um passeiozinho na casa da vizinha de bairro pra assistir ao jogo do Curintia. Dá pra somar 1,5 Km de ida e volta. Sem ocorrências. A descida da Ladeira da Barra, devo citar, continua uma delícia.

Neste posto: 23,5 Km. Total: 722,4 Km

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s