17 de abril

Querido diário,

Manhã de dormir até mais tarde. Oba! Saí pra almoçar no restaurante aqui perto e voltei. Estava uma delícia. Não deu nem pra suar. 1,8 Km a ida e a volta. Fiquei trabalhando em casa. Dia intenso. Quando dá 17h30 toca um alarme no computador, avisando que é uma boa hora para comer para o bater o baba das 20h. É boa hora porque a barriga não pesa, e também não dá fome no final, o que afeta deveras o rendimento em campo. Fui de bicicleta também. Ridículos 600 m somando ida e volta para o lanche.

No Bompreço do Rio Vermelho, um mistério: próximo ao lugar onde normalmente amarro a bicicleta, uma corrente de combinação amarrada na barra de ferro. Sem bicicleta. Só a corrente. O que aconteceu? Uma hipótese é alguém ter acertado a combinação, levado a bicicleta, e na marotagem, prendido a corrente de volta. Será? Não sei. Mas não sei, mesmo.

Alimentado, fiz o caminho para o futebol. Foi nesse caminho a queda da terça passada. O trânsito estava livre, sem chuva, a pedalada foi agradável com a bicicleta nova e ao passar no local da queda, a areia ainda estava lá. Não era muita areia. Não é um lugar de cair. Tem tantos e tantos trechos piores que eu passo diariamente e fui cair logo num lugar completamente besta para se cair. Foi o temor da avenida de vale, eu acho. As grandes avenidas movimentadas onde praticamente não há sombra, não há pedestres – não muitos, e os carros estão com uma velocidade média bem alta – quando o trânsito anda. É prudente evitar estas avenidas, eu diria, mas o baba é lá! É na Av. ACM. Bom, não caí. Fiquei meio revoltado de ter caído por um obstáculo tão ridículo.  3,1 Km de ida. Conversinha depois do esporte e caminho de volta. Parei numa Subway no caminho. Não tinha absolutamente um lugar seguro para deixar a bicicleta e os seguranças estavam dentro da loja lanchando. Encostei ao lado da porta, com o pisca traseiro ligado, e pedi uma água olhando para a bicicleta. Chegou um motoqueiro. Parou do lado da bike. Fiquei olhando. Era meu amigo que tava jogando bola comigo! Rá!

Andamos emparelhados por um tempo na Lucaia e pedi a minha velocidade. Naquele trecho, em que eu estava próximo à velocidade máxima em terreno plano, oscilei entre 28 e 30 Km/h!

Não fui direto pra casa. Fui encontrar a esposa num bar do Rio Vermelho, e fizemos o trajeto final com bicicletas trocadas, de brincadeira. Eu com a dela – com direito a capinha de oncinha no banco, e ela com a minha. Foi divertido, mas ela prefere a dela, eu prefiro a minha. Ah, o trecho da volta é um pouquinho mais longo e com a passada no boteco, fechamos 5 Km.

Terça-feira, 17 de abril: 10,4 Km. Total: 212,9 Km.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s